Sabe o que uma mãe de primeira viagem pede no Natal?

Foto: Uptokids.pt
Querida filha,

O pai, no Natal passado, disse-me que não queria receber nenhum presente porque o que ele mais queria já tinha acontecido – tu. Como o compreendo… Mesmo assim, faço um esforço para pedir as coisas que mais gostava. Aqui estão elas:
– Queria evitar todas as tuas lágrimas, das mais sentidas às mais caprichosas.
– Poder entender tudo o que me dizes nesse dialecto atabalhoado – que me vai directo ao coração mas que o cérebro tem dificuldade em descodificar.
– Ter a capacidade de guardar esse teu cheirinho, que é só teu, para que nunca deixe de te pertencer.
– Apagar as más noites, não por não dormir bem, mas por sentir que às vezes o teu descanso precisava de ser maior.
– Explicar melhor por que é que não deves fazer certas coisas para eliminar o olhar frustrado que me fazes. Às vezes sinto que precisas de compreender para obedecer e nem sempre consigo ajudar-te.
– Sabes aquele sorriso que fazes quando me vês entrar na sala? Se receber meio milhão deles pelo Natal não os irei trocar por nada que esteja numa loja.
– Conseguir acalmar-te quando tens medo, mesmo quando eu partilho desse medo terrível só por te ver assim, tão aflita.
– Lembrar-me de mais músicas, para não estar sempre a cantar-te as mesmas sete com as suas versões alternativas (ainda que não pareças desagradada com elas).
– Continuar a dar bom dia ao sol assim que acordas, mesmo que os dias se tornem mais agitados e o tempo mais curto.
– Não esquecer que o dinheiro ajuda, mas não é garantia de felicidade – e tantas vezes só atrapalha.
– Gravar nesta memória que já teve melhores fases a forma doce e despretensiosa como dizes “mamã” (sem vergonhas nem segundas intenções, só amor e orgulho pela conquista de ser uma das poucas palavras que dominas).
Por fim, agradecer pelo que tenho. É um pedido e um dever, uma lembrança que devo a mim mesma. Há dias mais compridos, noites que passam num ápice, problemas que não parecem ter resolução. Mas também existimos nós e somos uma equipa de três, que em diversos dias ganha elementos e parece mais um batalhão, que funciona de uma maneira que tanto me orgulha… Por isso, se naqueles momentos em que vês aquilo em que deixámos de prestar atenção encontrares o Pai Natal ou o menino Jesus, diz-Lhes que não se preocupem connosco. Estamos tão bem servidos que se melhorar só estraga.
Um beijo, mãe.
Fonte: uptokids.pt

Comente com o Facebook:

Siga-nos por email

Insira o seu email:

Entregue por FeedBurner