loading...

CARTA DE UM PAI AO DIRETOR DA ESCOLA



Porque nos dias de hoje muito de fala sobre a escola e a interacção com as crianças, achei interessante que lessem este artigo.

Caro Senhor Director

Muito se fala de alunos ou professores e pouco dos directores de escola. Parece-me injusto pois creio serem eles quem define o caminho que a escola deve seguir e a maneira como ela deixa uma marca na vida dos nossos filhos. Para além disto, gerir tantas sensibilidades deve ser complexo, pelo que não compreendo o desinteresse pela sua actividade e até aceito que lhe sobrem poucos momentos de reflexão.

Espero que esta mensagem lhe chegue no arranque de mais um ano letivo. Reconheço que o número de currículos, facturas e e-mails o devem ocupar bastante. Quando tentar lê-la, também sei que o vão interromper umas três vezes, e que cada pessoa que lhe bater à porta vai trazer um problema novo para resolver. Pode ser da delegação de saúde para conferir as vacinas, ou, cruzes canhoto, a caldeira da escola a dar problemas novamente. Essas pessoas confiam em si para resolver problemas, é melhor abrir a porta. Logo, quando a escola estiver fechada, depois de verificar que ficou tudo limpo e desligado, poderá voltar ao gabinete para pegar nos assuntos que precisam de silêncio para resolver.

Ultimamente têm acontecido coisas na escola que me parecem estranhas. Peço que me ajude a compreender, Sr. Director.

Não me parece bem ver o meu filho passar tanto tempo à secretária, nem sei se isso nos garante que aprenda melhor. Não sou especialista em ensino, mas tenho a noção que na minha vida aprendi mais a fazer do que a ouvir, mais em grupo do que isolado. Estou quase com quarenta, e no escritório, para pensar melhor, ainda preciso de dar uma volta de vez em quando, ou de vaguear pela sala quando o telefone toca. Para tentar perceber porque é que o meu filho resiste a sentar-se comigo a fazer os trabalhos de casa, resolvi actuar, obrigando-me a ficar após o trabalho, mais uma hora e meia sentado numa cadeira. O resultado foi surpreendente: após a primeira meia hora comecei a suspirar frequentemente, a esticar as pernas, os braços e a coluna. Ainda não tinham passado quarenta e cinco minutos, quando reparei que o meu pensamento desacelerou (não porque estivesse cansado, pois saiu de mim a correr). Quando o voltei a apanhar já tinha passado uma hora e remexido articulações que nem sabia que tinha. Na fase seguinte, voltei à juventude: consegui equilibrar a cadeira em apenas duas pernas e espraiei o tronco todo no tampo da mesa.

Senhor Director: sou adulto, o médico diz que estou óptimo e é da minha natureza estar mais quieto do que uma criança. Se no final de um dia inteiro de escola, me convidassem a resolver uma ficha durante uma hora e meia em casa, resistiria como um rebelde.

Desde que prolongaram a duração das aulas e diminuíram o tempo de recreio na escola, que há cada vez mais crianças medicadas na sala do meu filho. Tenho reparado, outros pais também, e não aceitamos que a modernidade seja a responsável. Realidades como esta preocupam-nos a ponto de afastarmos a ideia de ter mais filhos por ser arriscado, porque as instituições educativas são demasiado coniventes com as orientações do currículo que contrariam a natureza dos mais novos. Nós também já fomos crianças e ainda nos lembramos disso.

Ler também Metas curriculares do 1º ciclo | Conteúdo programático excessivo

Sei que o Sr. Director também já deve ter pensado nisto, por isso, este ano, venho pedir-lhe que faça diferente, dizer-lhe confio na sua capacidade para moderar problemas sérios que precisam do nosso tempo e inspiração, acima de todas as outras tarefas. Se abdicar dos trabalhos de casa por completo não é uma opção no ensino, podem existir outros caminhos: será que precisam de marcar-se todos os dias da semana, seguindo repetidamente a mesma direcção? Planear tarefas que valorizem e respeitem o tempo escasso que as famílias passam em conjunto, é possível e devia praticar-se mais nas escolas.

Brincar é uma condição essencial para aprender mas também para ensinar. Aplicar este princípio no caderno do tpc seria um passo determinante para aumentar a participação dos pais na educação dos filhos e para reafirmar a certeza de que a escola proporciona experiências positivas, mesmo à distância de um bolso da mochila, antes da hora do jantar.

O que me diz, Sr. Director?

Por School Embassy

Fonte: uptokids.pt

Blue Eyes 

Comente com o Facebook:

Siga-nos por email

Insira o seu email:

Entregue por FeedBurner